Semana Nacional de Educação Financeira

As atividades da Semana Nacional de Educação Financeira iniciaram no dia 20 de maio e ocorrem até o dia 26 do mês.

Posta do em: Por:

As atividades da Semana Nacional de Educação Financeira iniciaram no dia 20 de maio e ocorrem até o dia 26 do mês. O evento é uma iniciativa do Comitê Nacional de Educação Financeira (Conef) para promover ações de educação financeira no País.

Em todo o Brasil, presencialmente e no ambiente virtual, são disponibilizados workshops, palestras, cursos e rodas de discursão. Todo conteúdo é gratuito e acessível a qualquer um que queira se aprofundar em temas de tamanha relevância na vida do brasileiro.

Aproveitamos o gancho da Semana ENEF para falar de um tema muito importante: A Educação Financeira para Empreendedores.

É muito comum, ouvirmos histórias de sucesso de empresas em que o produto inovador, a gestão de processos, a área comercial, o marketing, o atendimento ao cliente, foram fatores fundamentais para o crescimento vertiginoso. Mas o que poucos sabem, é que sem uma devida gestão financeira, nenhum desses pilares teria sustentação.

Aliás, dados do SEBRAE indicam que 4 em cada 10 empresas fecham antes de completar dois anos de existência. Os principais vilões? Alta carga tributária, ausência de capital de giro e má administração do fluxo de caixa.

Para dar o primeiro passo em direção à educação financeira é primordial entender e assimilar os conceitos básicos da área de finanças. Quanto mais esses conceitos estiverem enraizados no conhecimento e gestão do empreendedor, maior as chances de obter bons resultados.

Conheça três conceitos fundamentais para implementar uma boa gestão financeira no seu negócio:

PLANEJAMENTO FINANCEIRO

Através do planejamento financeiro é possível não apenas controlar o que entra e sai no caixa da empresa, mas também projetar receitas, despesas, investimentos e lucros. Dessa forma, a empresa que se utiliza de um bom planejamento financeiro, consegue estabelecer metas factíveis e passa a utilizar o dinheiro do caixa de maneira sóbria. Esse item nos leva ao próximo conceito.

FLUXO DE CAIXA

Muitos se enganam ao achar que um bom fluxo de caixa é composto apenas de contas a pagar e receber. Bem mais que isso, um fluxo de caixa robusto deve conter também itens como gatos com insumos, tributos e impostos, fornecedores, salários e pró-labores, separação de custos fixos e variáveis, entre outros. Quanto mais detalhes tiver o fluxo de caixa, mais bem organizada deverá ser as finanças da empresa. Outro fator importante, é que com o fluxo de caixa bem feito, é possível inclusive ter assertividade acerca do capital de giro necessário para manter o negócio no positivo. O que nos leva ao último conceito.

CAPITAL DE GIRO

O capital de giro, nada mais é do que uma reserva de dinheiro, que todo empreendedor deve ter para manter sua empresa em pleno funcionamento, por determinado período. Um capital de giro bem planejado, pode salvar uma empresa em um momento de dificuldade e numa eventual quebra de faturamento. Pode ser utilizado para realizar determinado investimento ou arcar com um custo não planejado.

 

Muitas são as dificuldades do empreendedor brasileiro, mas com certeza, a organização das finanças mitiga vários riscos inerentes a qualquer negócio. Afinal de contas, como diria William Deming: “Não se gerencia o que não se mede, não se mede o que não se define, não se define o que não se entende, e não há sucesso no que não se gerencia”.

 

Gustavo Santos

Co-founder.

 

 

Compartilhe: